Serra e Alckmin dão passo importante rumo a 2010

compartilhar:
" class="btn btn-social-icon post-share-btn">

Eu já havia escrito mais de uma vez sobre essa tola competição fatricida entre José Serra e Geraldo Alckmin. Pois bem, FHC resolveu entrar pra valer no processo e salvar o partido, evitando o racha definitivo. E não haveria porque estarem em lados opostos o atual e o ex-governador de São Paulo. Serra quer ser o candidato a presidente, pra isso precisa de um nome forte disputando o governo do estado e Alckmin quer ser governador novamente. Como se diz, é juntar a fome com a vontade de comer.

Mas para Serra a vitória pode ser dupla, afinal isso enfraquece (um pouco mais) a posição de Aécio. O governador mineiro perdeu pontos com o desempenho de seus aliados nas eleições municipais de 2008, e agora deixa de ter o único aliado importante em terras paulistas.

Leia o que vai no Estadão:

Ao atrair o ex-governador Geraldo Alckmin para sua gestão, o governador José Serra unifica São Paulo em torno de seu projeto presidencial em 2010 e tira do governador de Minas, Aécio Neves, o único apoio que tinha nos arraiais tucanos paulistas. Se Serra pacificou o Estado em seu apoio, Alckmin, por seu lado, assume uma secretaria de visibilidade e comandará, em São Paulo, a luta contra a crise econômica. Se tiver êxito, terá percorrido boa parte do caminho para viabilizar sua volta ao governo estadual em 2010.

A Secretaria de Desenvolvimento tem sido a encarnação do discurso serrista para enfrentar a crise. Seu plano de trabalho tem o título de Os novos rumos da locomotiva. Nos últimos dois anos, o ex-secretário Alberto Goldman costurou ambiciosos projetos para catapultar o desenvolvimento paulista, uma área que representa para Serra – mais do que a busca do êxito administrativo – o teste para suas teses desenvolvimentistas e a alavanca de seu futuro discurso de candidato presidencial. Alckmin, ex-governador e ex-candidato à Presidência, dá densidade a esse discurso, dizem os aliados de Serra.

A primeira conversa foi no dia 23 de dezembro, quando Serra disse a Alckmin que precisava dele para ocupar a Secretaria do Desenvolvimento e dar vigor à luta contra a crise. Atendia, então, a conselhos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, arquiteto de um entendimento em São Paulo. Do lado de Serra, apenas os secretários Aloysio Nunes Ferreira e Goldman foram notificados do convite. Do lado de Alckmin, ninguém soube, a não ser na semana passada, quando tudo já estava sacramentado.

Parceiros dos dois lados contaram que o acerto entre os dois não teve condicionantes. Serra não cobrou o apoio antecipado de Alckmin a sua candidatura presidencial nem Alckmin disse que almeja voltar ao governo estadual. Mas os dois lados admitem que esses serão desdobramentos “naturais” da aproximação. Leia mais.

o autor

Entre trabalhar muito e não fazer nada, encaixei mais uma atividade: escrever esses textos que tanto agradam quanto enfurecem.

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

1 Comentário