Inspeção veicular em SP, pra quê?

compartilhar:
" class="btn btn-social-icon post-share-btn">

Nós, moradores da cidade de São Paulo, vivemos reclamando do trânsito, do tempo que perdemos dentro dos carros, da violência dos motoristas e tantas outras mazelas que uma cidade gigantesca e com transporte público que ainda deixa muito a desejar, apesar de ter melhorado nos últimos anos.

E agora inventam mais uma, a tal “inspeção veicular”. -É morador da capital e possui um veículo com 5 anos ou menos? Então queremos saber se o seu carro polui muito ou não. E sabe o quê? Tem que pagar! Oras, eu já pago uma infinidade de impostos e IPVA e agora tenho que embarcar em mais essa? E sabe o pior? Os carros mais antigos, aqueles que poluem mais, não são obrigados a passar pelo teste da fumaça. Com tudo isso posso dizer: eu sou a favor da inspeção veicular. Claro que explico.

1. a poluição emitida por um veículo deve estar de acordo com as normas existentes na data do primeiro licensiamento. Como até meados da década de 1990 podia-se poluir muito, a redução possível para esses automóveis é menor do que aquela comparada aos carros mais novos. Bom, esse é o argumento técnico, e faz sentido, mas mesmo assim houve um período de quatro anos de preparação para o início da medição, poderiam ter se programado para toda a frota.

2. Reproduzo um texto do site da SPTrans sobre poluição atmosférica:

Segundo pesquisas do Laboratório de Poluição Atmosférica Experimental da Faculdade de Medicina da USP, estima-se que cerca de 10% das mortes de idosos, 7% da mortandade infantil e de 15 a 20% das internações de crianças por doenças respiratórias estejam relacionadas com as variações da poluição atmosférica.

Em dias de grande contaminação do ar o risco de morte por doenças do pulmão e do coração aumenta em até 12%. Habitantes de São Paulo vivem em média um ano e meio a menos do que pessoas que moram em cidades de ar mais limpo.

3. Sou pedestre e ciclista. Desde o segundo semestre do ano passado que dou preferência ao “pé” e à “magrela” para vir ao trabalho. Este ano consegui arrumar minha agenda de compromissos pessoais para não precisar do carro mais do que uma vez durante a semana de trabalho (segunda a sexta), com o objetivo de caminhar 60km por semana. Posso dizer que tem sido uma maravilha, exceção feita aos cruzamentos das avenidas, onde a fumaça quase me mata.

4. O munícipe que não possui dívidas com a prefeitura e tem o carro licenciado, terá a devolução da taxa paga. Claro que o melhor seria apresentar um atestado negativo e não desembolsar nada, mas com o tempo espero que melhore.

Resumindo, não há melhora de vida da população se não fizermos um esforço coletivo de melhora, e parte disso envolve ser responsável na manutenção dos veículos.

o autor

Entre trabalhar muito e não fazer nada, encaixei mais uma atividade: escrever esses textos que tanto agradam quanto enfurecem.

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Comentários que contenham termos vulgares e palavrões, ofensas, dados pessoais (e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Erros de português não impedirão a publicação de um comentário.

2 Comentário

rogerio

Segundo o professor Luiz Carlos Molion, representante da América Latina na Organização Meteorológica Mundial e pós-doutor em meteorologia, as medidas para a reduzir as emissões de carbono, como aqueles advindas de controles como a Inspeção Veicular Obrigatória realizada na cidade de São Paulo, não vão produzir efeito no clima mundial. “O gás carbônico não controla o clima global”, garante. A quantidade de carbono lançada pelo homem é ínfima, é irrisória, se comparada com os fluxos naturais dos oceanos, solo e vegetação. Para a atmosfera, saem 200 bilhões de toneladas de carbono por ano. O homem só lança seis. O professor, devido ao fato do gás carbônico ser utilizado pelas plantas para fazer fossíntese, considera o mesmo como o “gás da vida”. Veja aqui a entrevista de Molin: http://www.streetcustoms.com.br/revistas-carros/noticias/reduzir-co2-expelido-pelos-carros-e-motos-nao-impede-aquecimento-global-diz-meteorologista.html

No terreno legal, segundo a Constituição brasileira, promulgada em 1988, “todos são iguais perante a lei”. E eu cito:

“TÍTULO II
Dos Direitos e Garantias Fundamentais
CAPÍTULO I
DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade (…)”

Assim, não é legalmente aceitável que o dono do carro com motor de dois tempos ou
com placa preta seja dispensado da inspeção e os outros não. O princípio da igualdade é ferido. Isso, por sí só, já abre o precedente necessário para que os interessados entrem com ações na justiça contra a inspeção, ainda mais porque ela é regional e não nacional. acompanhem o desdobramento da luta contra esse embuste lendo a revista Rod & Custom!